quinta-feira, maio 08, 2008

Ao cuidado dos senhores operadores da justiça

1. Quem trabalha no ensino superior e na investigação há mais de 10 anos, sabe como as Tecnologias de Informação e Comunicação, mudaram radicalmente os modos de trabalhar, criando eficácia, eficiência e uma produtividade sem paralelo com as que se obtinham antes. Basta recuar 10 anos.

2. Quem trabalha nos hospitais sabe como o mesmo se está a verificar nesse sector. Ao invés da circulação de envelopes com resultados de exames médicos e de funcionários a levar e trazer papeis, hoje o médico olha para os doentes, o enfermeiro vem fazer o exame, algures no hospital a análise é feita e os resultados introduzidos na intranet. O médico apenas tem de consultar o seu monitor e os exames ali estão.Minimização de desperdício (tempo, dinheiro). Maximização de eficácia, eficiência e melhores e mais rápidos diagnósticos e tratamentos. Ganham os profissionais do sector, ganham os cidadãos, ganham os contribuintes,em suma, ganhamos todos. Estes são processos de mudança imparáveis e que apenas trazem melhor qualidade de vida, melhor qualidade dos serviços prestados e mais desenvolvimento do país.

3. Alguém me explica por que razão a imagem que temos hoje dos tribunais continua a ser a de pilhas de processos em papeis e arquivos de cinzento pardo do chão até ao tecto e no meio desse amontoado de papel vários funcionários perdidos em processos que se perdem no tempo? Talvez os senhores operadores da justiça me possam esclarecer esta minha perplexidade. Ou talvez esta seja uma questão ajustada para colocar a uma Câmara Corporativa.

2 comentários:

olimar jr disse...

queria muito falar deste atual momento da economia mundial onde a fome ai e mundo atras de riquesas materiais omde vamos parar de sermos pequeno buscarmos uma qualidade de vida o nao teremos ela .

olimar jr disse...

quando se tem maos uma busca de qualidade de um serviço prestado temos outras preucupaçao a mais è que os gorvernamtes nao da a menor atençao a populaçao carente isto si è que falta de respeito com a dignidade das pessoas.