sexta-feira, agosto 31, 2007

Princezambiana

Pulhice

Um péssimo exemplo do que é governar, são decisões como a de localizar os radares detectores de excesso de velocidade nos locais onde foram colocados: em túneis ou vias rápidas. Uma pulhice que apenas tem como fito a caça aos dinheiros do cidadão. Quem tomou esta decisão não pretende reduzir o número de mortes por acidente (atropelamento, na maioria dos casos) em Lisboa. Se assim fosse colocava radares onde há circulação de peões. Aí sim, seriam necessários radares. Em túneis onde se circula em segurança a 80 Kms/hora, obrigar a circular a menos de 50 é da mais pura pulhice.

People and Arts

1. Pacheco Pereira diz, com inteira razão, que ele é que sabe muito de política radical. Oh se sabe. Grande escola o PCP (M-L).

2. Zita Seabra diz, com inteira razão, que o PCP lhe roubou a juventude. Na próxima entrevista Zita vai acusar o PCP do seu envelhecimento precoce.

3. E Paulo Portas? Ainda se lembram dele? Ah, então será melhor ficar mais uns anos como tem estado, estranhamente, nos últimos meses, isto é, sem aparecer nos media.

quinta-feira, agosto 30, 2007

Porto e desporto

As mortes na noite do Porto e as mortes nos estádios de futebol, têm, porventura, um denominador comum: O dinheiro, o muito dinheiro que corre nos negócios da noite e nos negócios do futebol.

quarta-feira, agosto 29, 2007

Guantanamo na Alemanha?

1. No passado dia 31 de Julho, na Alemanha, as casas e os gabinetes de trabalho de dois sociólogos especializados em questões de renovação urbana, foram alvo de busca policial, sendo um deles imediatamente transportado de helicóptero para o tribunal, e depois detido numa prisão de Berlim, sob fortes medidas de segurança. Sobre aquele sociólogo recaem, alegadamente, suspeitas de pertença a um 'grupo terrorista', responsável por alguns atentados, recentemente perpetrados em território alemão.

2. O curioso desta 'história' são os argumentos da justiça alemã para a suspeita e detenção em causa, que conduziram a um movimento de solidariedade e protesto, por parte de um enorme grupo de colegas, entre os quais se contam alguns nomes maiores da sociologia urbana mundial, além de organizações como a Associação Americana de Sociologia e o Comité de Pesquisa 21 (Desenvolvimento Regional e Urbano) da Associação Internacional de Sociologia.

3. Graças a uma enorme pressão internacional, no dia 24 de Agosto o sociólogo foi libertado, mas sobre ele continuam a recair, alegadamente, suspeitas de ligações ao suposto 'grupo terrorista'. Referem as autoridades alemãs que, "até ao momento, apenas não foi possível encontrar provas da sua efectiva participação nas actividades terroristas". Entretanto, aquele cidadão, professor e investigador universitário, sabe hoje que a sua vida quotidiana, privada e profissional, foi vasculhada e vigiada, experimentou quase um mês de prisão em isolamento vinte e três horas por dia, estando a aguardar sob fortes medidas de segurança um desfecho do caso.

4. A avaliar pelos dados divulgados sobre este caso, não admiraria que estivéssemos perante uma transposição para o território alemão dos já tristemente célebres casos de Guantanamo. Culpados até prova em contrário. Ou seja, até à conclusão da sua inocência, alguns cidadãos viram os seus direitos de cidadãos, de um estado de direito, serem provisoriamente interrompidos. A ser esse o caso, e atendendo a que os factos ocorrem em território da UE, e envolvem os direitos, liberdades e garantias de cidadãos da União, não será de esperar que os competentes organismos políticos e judiciais da União retirem daqui as devidas consequências face às autoridades alemãs?

5. Esperemos não estar a entrar, também na Europa comunitária, na paranóia securitária e na psicose do medo face ao terrorismo. O prejuízo que daí poderia advir, para as conquistas civilizacionais do mundo ocidental, seria a maior vitória da estratégia do terrorismo.

Adenda: Tomei conhecimento deste caso por via de uma mailing list da qual faço parte há mais de dez anos, e onde se incluem, também, alguns dos subscritores do protesto on-line. Reparei agora que o Bruno já havia chamado a atenção para o caso.

segunda-feira, agosto 27, 2007

Post transgénico

O primeiro milho é para os pardais.

domingo, agosto 19, 2007

Nós por cá nem por isso. Talvez seja por isso que

"Me ha costado muchísimo trabajo reentrenar mi cabeza. Durante décadas, mi cabeza ha estado entrenada, por obligación, para recibir información y, al tiempo que la recibía, la reciclaba en forma de respuesta. Esto fue así en todos los ámbitos de mis responsabilidades políticas. En la última, como presidente del Gobierno durante casi catorce años, se convirtió en un hábito. Uno tiene que comprender que cuando ya no es el responsable de dar las respuestas, le toca callarse. Y ese cambio radical es lo más difícil de hacer en la vida, lo más difícil, ¡se lo aseguro!, el ejercicio más difícil de la vida, y algunos lo resuelven volviendo al ruedo."

Felipe González, El País, 04.08.07 (via Still Kissin')

Nada é por acaso

Não será, certamente, por acaso que os ingleses, ou os americanos, escrevem estado com minúscula, enquanto os portugueses, por exemplo, tal como os franceses, escrevem Estado com maiúscula.

sábado, agosto 18, 2007

A globalização está a passar por aqui

Neste exacto momento, uma nova nação está a passar à minha porta. O destino é o templo da sua identidade cultural de origem. Os trajes femininos também permanecem nesse território identitário. Mas os trajes dos homens e os carros que eles ruidosamente ostentam, já são de outras nações. Inglaterra, França, Alemanha. É a globalização a passar por aqui, à minha porta.

Coisas que melhoram algumas vidas ©

O programa sobre Agustina, feito em 2005 e que ontem a Dois transmitiu.

sexta-feira, agosto 17, 2007

Que desgraça de verão

Nem um incendiozinho digno desse nome. Resta às televisões dar tempo de antena a um frequentador de bares de putas.

Estrábicos

A razão dos fracassos da nossa direita é clara como a água. Perante a sua incompetência para combater a esquerda actual, dedica-se a malhar na esquerda dos tempos do prec. Chama-se a isto, bater em mortos, cobardia, ou preocupante desfasamento histórico da realidade?

Azar de asae

Até parece que uma responsável da asae leu o post em baixo e vai daí multou uma cadeia de hipermercados. Só é pena que tenha agido por más razões. O motivo da multa foi o incumprimento do horário. Ora, sucede que o incumprimento dos horários de um hipermercado não só não atenta contra os direitos dos consumidores, como os beneficia. Ainda não foi desta. Asae.

sexta-feira, agosto 03, 2007

Autoridades fortes para com os fracos

Restaurantes chineses, feirantes do dvd pirata e vendedores de bolas de berlim. E que tal o mesmo heroísmo a inspeccionar hipermercados de grandes grupos económicos, de onde saem pela calada da noite ratazanas do tamanho de coelhos?

Em câmara ardente

A competência política de Sá Fernandes, ao negociar condições justas e muito razoáveis para integrar o executivo camarário, surpreende-me, na medida em que sempre achei o seu discurso politicamente paupérrimo e vazio de estratégia. Já a "cidadania" umbilical de Roseta não me surpreende. É todo um trilho coerente.

quarta-feira, agosto 01, 2007