sábado, julho 01, 2006

Ai Timor

Já não percebo nada disto. Um dia era o primeiro-ministro acusado de ter distribuído armas aos civis, no dia seguinte já era o presidente da república. Algum deles quer derrubar algum regime militarista, totalitário e ditatorial, no poder sem sufrágio universal?

1 comentário:

Manoel das Couves disse...

E o que é que as televisões, as rádio e os jornais nos contam de Timor?
Se eles nem conhecem Timor...
Os correspondentes da RTP, da RDP e da Lusa... nunca saíram do distrito de Dili. Quando muito arriscam ir até Aileu. E é assim desde há quatro anos. A única vez que viu imagens de Baucau foi para mostrar a chegada do contingente da GNR a Timor.
Ninguem (dos públicos aos privados) nos conta o que se passa em Timor... falam-nos apenas do que acontece nas ruas de Dili.
E quando vê uma imagens das tais montanhas... lá estão eles a falar de uma coisa que fica a... 25 quilómetros de Dili.
Alguma vez ouviu falar de Soibada, Viqueque ou Manatuto??? E Manatuto é a sede do maior distrito de Timor... e está a cerca de 60 quilómetros por uma estrada à beira mar... é pouco mais uma hora para lá chegar...
Há vida em Timor fora de uma capital que, à custa da guerra, concentrou refugiados, desalojados, desempregados, etc. etc. etc. Não é aí que estão os campos, os arrozais, as manadas de búfalos, etc. etc. Mas lá está concentrada a administração e a intriga política... e os jornalistas não arredam pé.
E não são apenas os jornalistas que fazem isto. A própria Embaixada de Portugal tem ajudado à festa... Seria interessante - em relação ao pessoal diplomático colocado em Dili - saber o que é que eles já conheceram de Timor fora de Dili (além de algumas praias paradisíacas...).
Dou-lhe um exemplo em jeito de pergunta:
Quem organizou o programa de deslocação do então 1º Ministro António Guterres (aquando da sua visita a Timor) e o fez voar de helicóptero até Baucau, saberia - quando o aparelho estava a voar sobre Manatuto - que estava a sobrevoar um distrito em que toda a assistência médica humanitária à populações era assegurada por voluntários de uma organização portuguesa (a AMI)?
Se calhar, se tivessem dito isso ao 1º Ministro, ele talvez conseguisse arranjar 5 minutos no programa de recepções e outros actos festivos para visitar o hospital que os portugueses tinham criado e posto em funcionamento.
Mas isto é apenas um exemplo de uma mentalidade que contaminou também os senhores jornalistas...

Manoel das Couves
Abanação